Jeio

Jeio é um elogiado projeto da família Bisol, produtores de enorme prestígio, instalados há quase 5 séculos — e 21 gerações! — na região demarcada de Prosecco, e proprietários de alguns dos mais privilegiados vinhedos desta zona vêneta conhecida pelos espumantes. A família tem à sua disposição nada menos que 35 parcelas (em média, de 1 hectare cada) distribuídas pelas íngremes colinas entre Valdobbiadene e Conegliano, a mais nobre área da denominação — incluindo a colina de Cartizze, uma das mais prestigiosas de todo o mundo vinícola. Esse acervo impressionante permite obter uma matéria-prima exemplar, que dá origem a espumantes maravilhosos. São todos “vinhos de alto nível"", segundo o Gambero Rosso, uma das mais respeitadas referências da imprensa especializada italiana. Como entram outras uvas no corte além da Glera, estes espumantes não podem ser chamados de Prosecco, mesmo sendo produzidos apenas com as valorizadas uvas de Valdobbiadene. O nome do projeto presta homenagem a Desiderio Bisol, pai dos atuais proprietários, e se refere ao apelido pelo qual era carinhosamente chamado pela mulher. Após a Primeira Guerra Mundial, Jeio investiu em novas técnicas de cultivo e passou a adquirir vinhedos em colinas íngremes — os mais caros e também os mais difíceis de serem cultivados — para dar origem a espumantes realmente distintos.