Clairette

A uva Clairette, cultivada em inúmeras regiões vinícolas da França, é utilizada na produção de alguns dos melhores vinhos brancos franceses. Encontrada, especialmente, em vinhedos do Vale do Rhône e em Languedoc Roussillon, a Clairette dá origem também a vinhos espumantes frescos e leves, além de vinhos tranquilos e fáceis de beber.

A maior parte dos vinhedos cultivados em Languedoc Roussillon encontram-se sob a AOC Clairette de Die, denominação que antecede os famosos vinhos espumantes de Champagne. Alguns dos vinhos elaborados perante a AOC Clairette de Die necessitam ter 100% da uva Clairette, enquanto os produzidos sob as AOCs Coteaux de Die e Crémant de Die podem apresentar proporções variáveis.

Mais a oeste da França, a uva Clairette é encontrada na composição de vinhos tranquilos sob as AOCs Clairette du Laguedoc e Clairette de Bellegarde, sendo, nesta última denominação, permitida também na produção de bons vinhos secos.

“Clairette” que em francês significa “clareza”, faz referência a aparência da uva, ou seja, a variedade possui coloração verde claro. Apesar de ser facilmente encontrada em regiões vinícolas da França, a uva Clairette é cultivada também na Itália e em alguns países fora da Europa, incluindo a África do Sul e o Líbano.

Essa variedade de uva é difícil de ser cultivada, exigindo cuidados e atenção especiais, tornando-se uma das principais razões para o seu declínio no século XX. Sua tendência para oxidar rapidamente foi utilizada na elaboração dos vinhos de mesa, além disso, a Clairette apresenta baixa acidez e teor alcoólico elevado.

Atualmente, os produtores são capazes de combater tais efeitos com a introdução de modernas técnicas de cultivo e novos métodos de vinificação. Quando bem elaborados, os vinhos Clairette são leves e frescos, ricos em sabores e aromas cítricos. Em vinhos de corte, a variedade aparece ao lado de uvas como a Ugni Blanc, Terret Blanc e Grenache Blanc, adicionando aos exemplares maior acidez.