Freisa

A uva Freisa, nativa da região italiana do Piemonte, possui casca de cor escura e densa, e é utilizada na produção de diferentes tipos de vinhos, de doces a secos. A Freisa pode ser encontrada em duas variedades – Freisa Piccolo e Freisa Grossa –, cada qual origina vinhos com características únicas e marcantes.

Cultivada nas redondezas de Montferrato, onde os prestigiados vinhos Freisa d’Asti e Freisa di Chieri são produzidos, a uva Freisa é também a matéria prima do vinho Gabiano, que se elabora em menor quantidade.

A variedade de uva Freisa Piccolo é responsável por produzir vinhos tintos com bom corpo e sabores frutados. Com a presença de bons taninos e marcante acidez, o vinho Freisa Piccolo é capaz de envelhecer por até 10 anos, assim como o vinho Toetto de Giuseppe Mascarello. Já a casta Freisa Grossa, por sua vez, tende a produzir vinhos tintos mais leves e frutados, levemente frisantes, e com pouca concentração de açúcar residual.

No século XIX, a uva Freisa foi amplamente cultivada nos vinhedos da região do Piemonte, quando era a variedade mais plantada na província de Torino. Sua elevada resistência tornou-a extremamente popular, especialmente, após a grande praga filoxera que assolou os vinhedos da Europa.

Ainda que, atualmente, a uva Freisa seja menos popular do que as demais variedades cultivadas em Piemonte - como a uva Barbera ou a casta Moscato Bianco -, é uma variedade indiscutivelmente relevante para a história dos vinhos piemonteses, originando alguns dos melhores vinhos da Itália.

Os vinhos produzidos a partir da uva Freisa possuem elevado teor de tanicidade que harmoniza com o açúcar residual presente nos exemplares, oferecendo um equilíbrio peculiar e bastante apreciado. Aqueles que gostam dos vinhos elaborados com a uva Brachetto, marcados pelo sabor adocicado, e dos vinhos tânicos com a uva Nebbiolo, são fortes candidatos a apreciar os vinhos produzidos com a uva Freisa.