Baco Noir

A uva Baco Noir, variedade híbrida franco-americana, é cultivada amplamente no nordeste dos Estados Unidos e no Canadá, em especial, no estado de Nova Iorque e Ontario, onde vem apresentando elevado sucesso na produção de bons vinhos tintos.

Os vinhos produzidos com a Baco Noir são, geralmente, vinhos tintos com coloração escura e densa, bem como apresentam boa acidez. Tais exemplares possuem boa capacidade de envelhecimento e aromas frutados, típicos de ameixa e blueberry.

A origem da uva Baco Noir ocorreu no ano de 1894, quando o francês François Baco cruzou a uva Folle Blanc com uma variedade menos conhecida do Novo Mundo, a Vitis riparia. O intuito de Baco era criar uma espécie que fosse mais resistente a praga filoxera, que assolou os vinhedos da Europa, mas que ainda mantivesse as características de uma uva francesa.

No início, a uva Baco Noir foi cultivada na região de Borgonha e no Vale do Loire, entretanto, com o decorrer do tempo, começou a ser cultivada fora da Europa, tornando-se uma das variedades híbridas americanas mais bem-sucedida fora do seu continente de origem. A variante branca, conhecida como Baco Blanc, é famosa por ser a única variedade híbrida autorizada a ser cultivada em denominações AOC da França, chamada de Armagnac.

A uva Baco Noir suporta com facilidade áreas que apresentem invernos frios e verões quentes, e em razão disso é amplamente cultivada na América do Norte, em especial, na região de Great Lakes. Em 1951, a variedade foi levada as regiões mais frias do continente, como Ontario, Mississippi, Michigan, Nova Iorque, Wisconsin, Oregon e Pensilvânia.

Conhecida também como Baco No. 1 nos Estados Unidos, Bacoi na França e Bako Speiskii na Hungria, a casta Baco Noir é ainda, uma boa alternativa para os produtores da uva Pinot Noir.