Branco Licoroso

Apresentando um mosto bastante rico em açúcares, o vinho branco licoroso, proveniente de cepas brancas possui em média mais de 40g de açúcar por litro, característica bastante específica que o diferencia de outros tipos de vinhos brancos, como os Demi Sec, Doce e Moelleux.

Bastante indicados para serem apreciados e degustados com sobremesas ou bebidos como aperitivo, os rótulos se tornam melhores quando gelados, destacando-se os exemplares de Sauternes e Jerez. Podendo ser utilizada diferentes castas para a produção deste tão cultuado tipo de vinho, as que mais aparecem são a Semillon graças ao seu caráter frutado, a Sauvignon Blanc com o seu aroma e perfume bastante característico e a Muscadelle. Entretanto, a utilização da última casta pode variar, uma vez que a cepa nem sempre aceita bem a podridão nobre, já que é extremamente sensível ao ataque do fungo “Botrytis Cinerea”.

No caso do vinho branco licoroso de Sauternes, um dos mais famosos da região de Bordeaux, na França, o método de elaboração e produção da variedade conta com o ataque do fungo que origina um dos termos mais conhecidos do mundo do vinho, a podridão nobre. O fungo “Botrytis Cinerea” ataca a casta quando a uva ainda se encontra no vinhedo, penetrando no bago e criando minúsculos furos. Esses furos fazem com que a cepa perca água que tempos depois evapora, graças a incidência de raios solares na casca da variedade. O fungo acaba se desenvolvendo dentro da uva, fazendo com que ocorra a podridão total do bago. Tal característica permite que a casta fique totalmente seca, ocorrendo então, concentração elevada de açúcar em todo cacho, auxiliando na obtenção de um vinho branco elaborado com o açúcar natural da fruta.

Já os exemplares de Jerez, vinhos espanhóis bastante cultuados no mundo, possuem método de fabricação diferente dos rótulos de Sauternes. Apesar de também ocorrer a desidratação da uva para obtenção do vinho branco licoroso, o amadurecimento ocorre de forma diferenciada. Ao contrário das uvas que originam o vinho de Bordeaux, atacadas ainda nos vinhedos pelo fungo “Botrytis Cinerea”, as variedades utilizadas para fabricação dos vinhos de Jerez possuem amadurecimento sob um véu de fungo, também conhecido como “levedura da flor”, agindo enquanto a variedade ainda se encontra em tonéis. Já a desidratação da cepa ocorre também no vinhedo, entretanto, neste caso, as uvas são envoltas por um papel filme, mecanismo este que acelera a desidratação da cepa, ocorrendo assim a alta concentração de açúcar necessária para elaborar vinhos de Jerez primorosos.