Marzemino

A uva Marzemino é amplamente cultivada na Itália e possui excelente representatividade na região de Trentino, no extremo norte do país. Utilizada na produção de bons vinhos tintos, a uva Marzemino é cultivada também em outras regiões italianas, como a Lombardia e o Veneto.

As menções à essa variedade de uva na Ópera Don Giovanni de Mozart ajudaram a Marzemino a ganhar maior popularidade. Com origem incerta, relatos apontam vinhos com mais de 1.600 anos produzidos com essa variedade, como o “Marzemino di Bassano del Grappa”, elaborado na Alemanha.

Com bagos médios e esféricos, a pele da uva Marzemino é fina e rígida. Durante o verão, essa variedade de cepa ganha um tom de roxo avermelhado. A uva costuma ser cultivada em solos de argila calcária ou basalto, bem exposta.

Existem duas classificações para uvas Marzemino: Marzemino Gentile e Marzemino Padovano. Para validar esses dois grupos, analisa-se a presença ou ausência de pelos na parte de baixo da folha da videira, bem como a textura e espessura encontradas na pele da uva. Afora essas duas derivações, a Marzemino apresenta mais de oito biótipos da casta.

Estudos recentes mostraram que a uva Marzemino tem parentesco com castas da região de Friuli, fator este que pode comprovar as teorias da origem dessa variedade, por volta do século XV, no Norte da Itália, mais precisamente na Villa Lagarina, próximo ao rio Aidge.

Em Lombardia, a uva Marzemino raramente é utilizada em vinhos varietais, em contrapartida, costuma ser utilizada na produção de vinhos de corte com a união das castas Sangiovese, Barbera e Merlot, nas regiões de Capriano del Colle e Botticino. Um dos mais expressivos vinhos fabricados a partir da Marzemino é o vinho doce e seco “Colli di Conegliano Refrontolo”, rótulo no qual a uva Marzemino representa cerca de 95% da sua composição.

Com pele escura e período prolongado de amadurecimento, a uva Marzemino produz vinhos de tonalidade forte, com relativa acidez e equilibrado teor de açúcar, além de aromas que são normalmente associados à gramíneas e ervas.

Os vinhos secos elaborados a partir desse tipo de uva harmonizam muito bem com carnes e cordeiros temperados com limão, alecrim e alho, na Europa, ou, com geleia de amora, na Austrália.