Redoma (Niepoort)

Desde 1842 a família Niepoort produz o tradicional vinho do Porto e, atualmente, é responsável também por alguns dos melhores vinhos tintos e brancos de Portugal. Foi em 1987 que Dirk Niepoort iniciou a chamada nova era na empresa, quando comprou uma nova propriedade no Douro e, quatro anos depois, lançou o primeiro Redoma tinto da vinícola.

Dirk também é o responsável pelo extraordinário Redoma Reserva branco, considerado o melhor vinho branco português pela imprensa especializada do seu país e internacional, escolhido como o “Branco do Ano” pela revista Gula. Uma unanimidade.

O grande desafio da Niepoort é unir a tradição secular à inovação, dando continuidade à sua produção de vinhos do Porto, ao mesmo tempo, que cresce e inclui vinhos de outras regiões à sua produção. Nesse intuito, a vinícola vem comprando propriedades em diferentes regiões e diversificando seus processos ao longo dos anos.

Na Quinta de Nápoles, com uma área de 30 hectares de vinhas - com idade entre 20 e 80 anos, localizadas ao lado do rio Têdo e à altitude de 80 a 250 metros -, são feitos seus vinhos bancos, tintos e rosés não fortificados.  

A Quinta de Carril, vizinha da Quinta de Nápoles, soma 9 hectares de vinhas desde que foi comprada em 1988. Lá, vinhas antigas produzem uvas utilizadas na vinificação do Batuta, um de seus vinhos mais raros e cultuados.

Em 2003, a Niepoort adquiriu a propriedade do antigo museu do Vale de Mendiz e a transformou em um centro exclusivo de vinificação para os seus vinhos do Porto, separando a produção e permitindo processos destinados aos vinhos do Porto e vinhos do Douro.

Já na Quinta de Baixo, a intenção da Niepoort é explorar a região da Bairrada, considerada difícil, mas com grande capacidade para se tornar o lugar de origem de vinhos finos e elegantes. Com clima fresco e úmido e influência atlântica, a Bairrada proporciona uvas de elevada acidez e graduação alcoólica baixa. Os solos são arenosos ou argilo-calcários e as castas brancas como a Arinto, Bical, Cercial e Maria Gomez têm potencial magnífico. A Baga, presente na maioria dos vinhos da região, predomina nas castas tintas.

Na região do Dão, a Niepoort comprou a Quinta da Lomba para “salvar” 5 hectares de vinhas com mais de 60 anos, ao sopé da Serrra da Estrela. Com esta aquisição, pretende fazer vinhos cheios de caráter e personalidade. 

20 produtos

Itens por página
Filtro
Ordenar por