Frete grátis para todo o Brasil a partir de 99 reais.

Parcele em até 6x Sem Juros. Parcela mínima de 99 reais.

    • Notas Mistral

      Dicas e Curiosidades

      Como a região e o clima de produção interferem no vinho?

      Entenda por que a região de produção torna um vinho único. Não deixe de conferir!

      Como a região e o clima de produção interferem no vinho?

      Como a região e o clima interferem no vinho?

      É fácil perceber que um vinho Pinot Noir produzido na Califórnia é diferente de um vinho feito com a mesma uva cultivada na Borgonha, mas qual é a razão de resultados tão diferentes?

       

      A influência do local na uva e no vinho

      Assim como qualquer outra fruta, a uva passa por um ciclo vegetativo de produção até que esteja perfeitamente madura e pronta para ser colhida.

      É fácil imaginar que a uva plantada em uma região mais quente, com mais sol e menos chuva, deva concentrar muito mais açúcar e menos acidez do que uma colhida em uma região mais fria e com mais chuvas.

      Da mesma forma, as uvas de vinhas plantadas em regiões mais quentes devem ficar maduras em menor tempo e as plantadas em locais com chuva abundante devem ter mais água em cada bago no momento da colheita. É por isso que os vinhos produzidos em regiões onde chove durante a colheita parecem aguados.

       

      Vinho: uma questão de terroir

      Mas a diferença não é só a quantidade de sol e de chuva. Os nutrientes que as vinhas absorvem nos diferentes tipos de solo também influenciam no resultado final do vinho, assim como na orientação de cada vinhedo.

      Do mesmo modo que aqui no Brasil uma casa “face norte” recebe mais sol durante o ano, os dois lados de uma colina onde um vinhedo está plantado resultam em vinhos diferentes. Em uma região muito quente, os melhores vinhedos estão mais protegidos do sol, enquanto nas regiões mais frias, os mais prestigiados recebem uma insolação maior.

      Todo este conjunto de fatores, que no mundo do vinho é chamado de terroir, é o que determina as diferenças entre vinhos de duas regiões diferentes. Muitas vezes, uma pequena distância pode fazer uma grande diferença.

       

      Podemos falar em terroir para qualquer região produtora?

      O conjunto de solo, clima, exposição solar, topografia, drenagem e todas as outras condições geológicas de uma pequena região plantada com vinhedos é chamada, no mundo do vinho, de terroir. É um termo que praticamente todo enófilo já ouviu falar, mas que geralmente associa sempre a vinhos do Velho Mundo.

      A explicação é simples: os produtores europeus sempre deram grande importância para a região em que um vinho é elaborado – sua origem – enquanto os produtores do Novo Mundo apostaram nos tipos de uva, um conceito bem mais simples de ser entendido, para conquistar seus clientes.

      Nos últimos tempos, com a qualidade crescente dos melhores vinhos do Novo Mundo, ficou claro que o conceito de terroir também se aplica aos vinhos de países como Estados Unidos, Chile, Argentina, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul.

       

      Produção da uva

      A produção de uvas é semelhante à de outras frutas. O ciclo vegetativo dura um ano e a colheita em geral é feita no final do verão. Quanto maior é a quantidade de uvas produzida por cada planta, menos concentrado é o vinho elaborado com essas uvas.

      As plantas jovens tendem a ter maior vigor e produzir mais uvas por hectare. Por isso, as vinhas velhas são valorizadas na produção de grandes vinhos: como o rendimento é menor, a qualidade de cada bago é maior.

       

      Como um vinho é produzido?   

      De maneira geral, o processo de produção de um vinho é o mesmo há milhares de anos. As uvas são colocadas em um tanque ou barril e delicadamente prensadas para liberar o suco. As leveduras, que podem ser nativas do próprio local de produção, funcionam de forma análoga ao fermento de um pão, transformando o açúcar natural das uvas em álcool.

      Após a fermentação alcoólica, o vinho pode ser decantado e filtrado para ficar limpo e maturar em tanques ou barricas para ficar mais complexo e estabilizado. É claro que a produção de hoje em dia é muito mais tecnológica e sofisticada, com mais etapas e controles, mas a essência continua a mesma.

      Materias relacionadas