Malaga

A região de Malaga, localizada em Andaluzia, é conhecida por seus famosos vinhos fortificados, exemplares produzidos com a interrupção da fermentação e adição de aguardente vínica. Malaga vem se destacando no cenário vitivinícola da Espanha também pelos seus vinhos secos, tintos e brancos.

A Espanha é um dos países com a maior gama de opções para os amantes dos bons vinhos, oferecendo tintos, brancos e vinhos rosados de uma grande variedade de preços e estilos. Alguns vinhos das regiões mais quentes são bem macios e exuberantes, em um estilo que deve agradar os apreciadores dos melhores vinhos do Novo Mundo. Dotada da maior área plantada de vinhedos do mundo, incluindo muitos de vinhas bastante antigas, a Espanha recebeu um impressionante montante de investimentos nas zonas vinícolas no final do século XX, resultando em um incrível salto qualitativo da produção. Hoje, é possível encontrar desde os tradicionais Rioja até vinhos modernos e cheios de fruta e complexidade, como os grandes vinhos do Priorato.

Tradicionalmente, os vinhos da denominação de origem Malaga são produzidos com as uvas Pedro Ximénez e Moscatel. São, muitas vezes, exemplares produzidos a partir de uvas secas, muito maduras e até mesmo, desidratadas, no estilo doce ou seco.

O prestígio da região espanhola, no entanto, deve-se aos maravilhosos vinhos fortificados que elabora. Dependendo da quantidade de álcool adicionada e o tipo de uva utilizado (frescas ou secas), os exemplares são classificados em um dos três grupos: os “Vino Dulce Natural”, que são obtidos com o mostro de uvas frescas e a fermentação interrompida com a adição de aguardente; os “Vino Maestro”, exemplares produzidos também com o mostro de uvas frescas, mas com fermentação lenta e incompleta, onde a adição de álcool acontece antes do início do processo; e, por fim, os “Vino Tierno”, título que se refere aos vinhos elaborados a partir do mostro de uvas secas, com elevada concentração de açúcar e fermentação interrompida pela adição de aguardente.

Outra característica marcante nos vinhos de Malaga é a diversidade de cores encontrada nos exemplares. Na teoria, quanto mais envelhecidos, mais escuros, no entanto, outro fator é fundamental sobre a cor do vinho: a adição de um xarope elaborado com o próprio mostro do vinho, que é reduzido com o calor e adicionado aos vinhos redefinindo a cor que o mesmo irá apresentar.